domingo, 30 de setembro de 2012




PIERRÔ E COLOMBINA


Sempre me encantei com o Pierrô e a Colombina...

O Pierrô chora por causa da Colombina...Ou é a Colombina que chora por causa do Pierrô?

Ou será que ambos choram sem admitir a falta que sentem um do outro?

Sem perceber tornamo-nos marionetes da vida; das mágoas, dos medos.

Aos poucos vamos abrindo mão de nós...Dos nossos sonhos...

As pequenas grandes alegrias se perdem na confusão das nossas emoções...

Permanecemos prisioneiros dos nossos conflitos...

O Pierrô e a Colombina simbolizam as máscaras que usamos para proteger nossos reais sentimentos...

Só eventualmente estas máscaras caem...Ai então somos nós mesmos sem medos sem defensivas...

Quando isso acontece é comum logo após o medo nos levar ao retraimento...

Negar o que estamos sentindo para nos protegermos...

Não facilitamos em nada nossas vidas e daqueles que nos cercam...

O radicalismo nos impede de enxergarmos as situações com clareza...Sempre defendendo só nossos pontos de vista e nem sempre razoáveis...

Realmente dar-nos permissão para vivermos de peito aberto nossas emoções e uma conquista...

Essa conquista acontece quando desafiamos a nos mesmos e ousamos assumir o que realmente o coração sente despojado dos medos que nos limitam e mandam embora todos sonhos...

    
                                             Maria da Graça
                                            15/09/2012

sábado, 22 de setembro de 2012


Seja bem vinda irmã primavera...
Acabou de chegar trazendo suas cores , seus encantos, sua magia...
Como és linda...
Agora mais do que nunca minhas amadas borboletas vão dançar beijando mil flores de matizes e perfumes delicados e sedutores... 

                                    Maria da Graça
                                    22/11/2012

                                                                                                                                                                          


"Como alguém pode acreditar que palavras tem força sobre as emoções...

Palavras machucam...

Palavras entristecem...

Mas palavras não mudam nada do que esta escrito no coração...

Não mudam o respeito, a admiração, o afeto...

Não mudam a verdade eterna e imutável das ligações verdadeiras e profundas da alma...

Feliz é aquele que consegue se desvincular das marcas dos enganos, das frustrações,dos traumas...

Conseguir escrever uma nova historia agora cheia de aprendizado de amor, de sabedoria...

Escreva diferente as páginas em branco...Pense muito como vai preenche-las...

Cada palavra escrita por você nestas páginas respondera por todas elas...

Somos responsáveis por mais corações do que queremos admitir...

Quebre os grilhões da teimosia e dos medos...

Assuma que tem um lindo coração  e que muitos esperam de você e por você...Mas cuidado com o tempo...

Ele segue em linha reta e é implacável...

E mais ainda não há como detê-lo e nem maneira de reescrever o que já foi escrito...

Pense nisso"... 

                                 Maria da Graça
                                 19/09/2012




                

terça-feira, 18 de setembro de 2012


TENTATIVA                                                                                     

Mais terrível do que tentar e não dar certo...É a angústia interminável de não ter tentado...

É nunca saber como seria... É viver o resultado na imaginação ...

É muito angustiante...

Vale para tudo que a vida nos convida a tentar...

Nós vivemos de escolhas e mesmo que a escolha do outro coração nos machuque temos que respeitar...

Assim funciona a vida...

Como saber dos medos e conflitos do outro coração...

Cada um possui um nível de resistência e de força para viver as experiências ...

 Amar é compreender completamente esta verdade e mesmo assim não deixar de amar...

É ter certeza absoluta da verdade que se acredita ...

Para chegar até a certeza sem dúvida essa verdade não foi encontrada de forma leviana e imatura...

É fruto de muito amadurecimento, intuição e amor...

                                                    Maria da Graça
                                                    18/09/2012

                                                                   

sábado, 15 de setembro de 2012


Para todos Corações Sensíveis que andam por ai...



Volte para a vida...

Volte para os sonhos...

Resgate o seu puro e lindo coração dos medos, deixe de se colocar sempre na defensiva...

Ilumine cada pedaço de chão que pisar...

Você alma mais linda de todas... Compreenda seu valor como ser imortal, precioso e único...

Seja um servidor de todos...

Mas sirva também ao sofrido coração... Aprenda a escuta-lo livre de suas próprias imposisões e condições...

Ouse... Seja feliz ...

Previna-se de construir castelos em areias inconsistentes da Solidão, achando que desta maneira se defende e protege...Enxergue que ela te tira os sonhos...

Entregue-se às verdades, sei que elas solicitam mudanças e mudanças assustam...

É como se houvesse uma desistência de si mesmo...

Viver por viver...Desta maneira boicotamos as respostas que só podem ser encontradas com a alma despojada dos grilhões das mágoas do medo e da teimosia...

Porque acreditar que tentamos tudo sem nada tentar?

E assim tirar o direito e as chances para o próprio coração.

                                                                                      Maria da Graça
                                                                                     15/09/2012

                                                                                                                         
                                                                     

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

















O tempo leva embora todas as coisas que permitimos...
Permanecem registradas nas fibras mais íntimas de nossas almas imortais todas coisas que nos são caras...
Lembranças ternas lembranças...Saudade...
Ah! se pudesse voltar o tempo e escrever de forma diferente nossas historias que machucam...
Apagar todas as mágoas...
Todo o medo de amar que antes não existia...
Todos os sonhos gorados pela nossa imaturidade, pelo nosso egoísmo...
O tempo passa...
Hoje, realidade...
Frutos colhidos de ontem...

                                  Maria da Graça


                               








terça-feira, 11 de setembro de 2012



"Fico com medo. Mas o coração bate.
O amor inexplicável faz o coração
bater mais depressa.
A garantia única é que eu nasci.
Tu és uma forma de ser eu,
e eu uma forma de te ser:
Eis os limites de minha possibilidade."

                                             Clarice Lispector

Garoto das Meias Vermelhas

Ele era um garoto triste. Procurava estudar muito.
Na hora do recreio ficava afastado dos colegas, como se estivesse procurando alguma coisa.
Todos os outros meninos zombavam dele, por causa das suas meias vermelhas.
Um dia, o cercaram e lhe perguntaram porque ele só usava meias vermelhas.
Ele falou, com simplicidade:
"no ano passado, quando fiz aniversário, minha mãe me levou ao circo".
Colocou em mim essas meias vermelhas.
Eu reclamei. Comecei a chorar.
Disse que todo mundo iria rir de mim, por causa das meias vermelhas.
Mas ela disse que tinha um motivo muito forte para me colocar as meias vermelhas.
Disse que se eu me perdesse, bastaria ela olhar para o chão e quando visse um menino
de meias vermelhas, saberia que o filho era dela."

"Ora", disseram os garotos. "mas você não está num circo.
Por que não tira essas meias vermelhas e as joga fora?"
O menino das meias vermelhas olhou para os próprios pés,
talvez para disfarçar o olhar lacrimoso e explicou:
"é que a minha mãe abandonou a nossa casa e foi embora".
Por isso eu continuo usando essas meias vermelhas.
"Quando ela passar por mim, em qualquer lugar em que eu esteja,
ela vai me encontrar e me levará com ela."

Muitas almas existem, na Terra, solitárias e tristes, chorando um amor que se foi.
Colocam meias vermelhas, na expectativa de que alguém as identifique,
em meio à multidão, e as leve para a intimidade do próprio coração.
São crianças, cujos pais as deixaram, um dia, em braços alheios,
enquanto eles mesmos se lançaram à procura de tesouros, nem sempre reais.
Lesadas em sua afetividade, vivem cada dia à espera do retorno dos amores,
ou de alguém que lhes chegue e as aconchegue.
Têm sede de carinho e fome de afeto.
Trazem o olhar triste de quem se encontra sozinho e anseia por ternura.
São idosos recolhidos a lares e asilos, às dezenas.
Ficam sentados em suas cadeiras, tomando sol, as pernas estendidas,
aguardando que alguém identifique as meias vermelhas.
Aguardam gestos de carinho, atenções pequenas.
Marcam no calendário, para não se perderem, a data da próxima visita,
do aniversário, da festividade especial.
Aguardam...

São homens e mulheres que se levantam todos os dias, saem de casa,
andam pelas ruas, sempre à espera de alguém que partiu, retorne.
Que o filho que tomou o rumo do mundo e não mais escreveu,
nem deu notícia alguma, volte ao lar.
São namorados, noivos, esposos que viram o outro sair de casa,
um dia, e esperam o retorno.
Almas solitárias. Lesadas na afetividade. Carentes.

Pense nisso!
O amor, sem dúvida, é lei da vida.
Ninguém no mundo pode medir a resistência de um coração
quando abandonado por outro.
E nem pode aquilatar da qualidade das reações que virão daqueles
que emurchecem aos poucos, na dor da afeição incompreendida.
Todos devemos respeito uns aos outros.
Somos responsáveis pelos que cativamos ou nos confiam seus corações.
Se alguém estiver usando meias vermelhas, por nossa causa, pensemos se esse
não é o momento de recompor o que se encontra destroçado,
trabalhando a terra do nosso coração.
A maior de todas as artes é a arte de viver juntos.


                                                                          Carlos Heitor Cony




Esta obra de arte de Carlos Heitor Cony é de uma sensibilidade...

Retira de dentro do coração muito pensar...

Como é séria esta verdade que ele diz:"A arte de viver juntos é a maior de todas"...

A expectativa das esperas da vida; esperar ou deixar que nos esperem é dolorosa, é invasora.

O mais fácil e cômodo é ignorar que o outro coração sofre porque não há maneira de retirar o que já foi construído, o que já foi conquistado...

A espera é tão perigosa...É uma ladra de sonhos doces que ficam alojados, resguardados dentro de nossas almas...

Sonhos que nos mantém...

Em se tratando de relações humanas a imparcialidade para amarmos é o caminho maravilhoso no exercício deste amor.

Focar nosso amor só naqueles que nos cercam, é o que faz a maioria de nós.

Só viver em função dos familiares é uma violência grave que cometemos contra nós e todos que aguardam por nós, pela nossa chegada em suas vidas pela nossa proximidade...

Pela vida à fora quantos corações que esperam...

É de dar pena...

Mães e pais que esperam pelos filhos, pelos netos ausentes...

Filhos que aguardam pais ausentes...

Amigos que esperam por amigos...

Amores únicos e insubstituíveis que ficam sozinhos esperando...Esperando...

Estas magnificas "meias vermelhas" que simbolizam a esperança e a confiança do coração humano que luta bravamente para não se deixar derrotar pela omissão do outro coração.

Estes sinais deixados pela espera podem ser inúmeros...

Até mesmo os cabelos que vão embranquecendo pelo tempo e que jamais são disfarçados com nova cor...

Como disfarça-los se eles contam sem palavras que é chegado o tempo de maior cuidado.

O tempo de maior preocupação e atenção para com os nossos amores... 

Quando estamos nos tornando mais vulneráveis...

Todo coração  que anda por ai compreenda que podemos amar a todos.

O coração é bem grande, porque fecha-lo como uma concha?

A angútia de não tentar amar por medo consome nossas almas arruina nossos sonhos.

O tempo é implacável e na sua passagem em linha reta pode nos pegar com muitas surpresas.

Aliás sempre surpresas inesperadas...

Deus abençoe você...
                                                                                  Maria da Graça
                                                                                  04/09/2012




Não posso perder um minuto do tempo
que faz minha vida.
Amar os outros é a única salvação
individual que conheço :
ninguém estará perdido se der amor e
às vezes receber amor em troca."

                                  Clarice Lispector
   



Mas nem sempre é necessário tornar-se forte.
Temos que respeitar nossas fraquezas.
Então, são lágrimas suaves, de uma tristeza
legítima à qual temos direito.
Elas correm devagar e quando passam pelos
lábios sente-se aquele gosto pouco salgado,
produto de nossa DOR mais profunda.
                            Clarice Lispector

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

sábado, 1 de setembro de 2012




Valsinha

                          Chico Buarque


Um dia ele chegou tão diferente do seu jeito de sempre chegar

Olhou-a de um jeito muito mais quente do que sempre costumava olhar
E não maldisse a vida tanto quanto era seu jeito de sempre falar
E nem deixou-a só num canto, pra seu grande espanto, convidou-a pra rodar


E então ela se fez bonita como há muito tempo não queria ousar

Com seu vestido decotado cheirando a guardado de tanto esperar
Depois os dois deram-se os braços como há muito tempo não se usava dar
E cheios de ternura e graça, foram para a praça e começaram a se abraçar


E ali dançaram tanta dança que a vizinhança toda despertou

E foi tanta felicidade que toda cidade se iluminou
E foram tantos beijos loucos, tantos gritos roucos como não se ouvia mais
Que o mundo compreendeu, e o dia amanheceu em paz





ESPERA


Cheiro de guardado....De esperar...De acreditar...De sonhar...


As mãos passam e repassam pelos guardados cheirando o cheiro típico do tempo...

São tantos os sonhos sonhados numa espera com o coração sempre fiel, sem perder o calor de quem sabe esperar sem perder o sonho de sonhar...

As mãos acariciam os guardados, tocam os bordados nesta espera quieta, compreensiva, iluminada...

A alma fica tomada de intenso amor, muito amor que as vezes o coração não da conta de conter e deixa jorrar pelo leito dos olhos em forma de lágrimas...

Os guardados cheiram a fidelidade... Cheiram lealdade... Cheiram a certeza...

A vida trás tantos sonhos, tanta espera, tanto cansaço...

Sempre há a possibilidade de tirar os guardados para fora do baú e do coração e escrever de forma diferente a historia de então...

Depende de cada um, de cada decisão...

Este grande mestre compositor Chico Buarque mostra de forma belíssima a angústia da espera, o cheiro de guardado impregnado nos objetos conservados com tanto cuidado, ficam impregnadas também as fibras mais íntimas e sensíveis do coração...

Esta espera acontece quando existe amor de qualidade, amor lindo que não impede a pessoa de viver mesmo estando separados...

Que na espera cuida de todas pessoas que chegarem, nunca negando o abraço amigo,nunca negando um pedacinho do próprio coração...

Apesar do cansaço jamais desprezar as possibilidades de atender o chamado de outros corações que convidam a serem amados...

E os guardados que cheiram tempo... Também cheiram esperança que espera...

Reflitamos que o tempo não se detém e que vale o esforço para despertar as fibras íntimas das emoções e vive-las enquanto existem sonhos...

Para isto acontecer é preciso vencer todos empecilhos de dentro, viver sem medo de viver...

                                                                           Maria da Graça    



                                                                                                           




"Dê a quem você ama: asas para voar, raízes para voltar e motivos para ficar." (Dalai Lama)